Compartilhando bençãos

Você é o visitante número:

Cansados na tarefa

Cansados na tarefa


Estamos no segundo livro de Samuel, mais precisamente no capítulo de número 21. O personagem é nada mais nada menos do que aquele que foi chamado homem segundo o coração de Deus. Nesse ponto da história Davi não era mais o menino inexperiente que enfrentou Golias, mas um rei experiente com um reinado consolidado em Israel. Davi já havido caído e se reerguido de sua queda, já havia enfrentado sérios problemas familiares a ponto de haver inimizades tão grandes entre seus filhos que Absalão matou Amnon, e de seu próprio filho haver pelejado contra si. A tarefa em que Davi se encontra é uma peleja contra um gigante filisteu e o versículo de número 15 diz que ele tanto lutou que se cansou.
É difícil não ver esse fato com uma certa estranheza quando analisamos que Davi estava guerreando e contra quem ele estava guerreando. A guerra era justamente contra os filisteus e Davi se vê em uma batalha pessoal contra um gigante chamado Isbi-Benobe. Não era o primeiro gigante que estivera frente a frente com Davi, não era uma primeira vez contra os filisteus, pois ele mesmo já estava calejado de tantas guerras contra esse povo. Se tinha algo que Davi podia dizer-se experiente era em enfrentar filisteus. Não foi raras as vezes que tal povo se pôs a sua frente. De fato não era uma tarefa nova, mas sim uma tarefa com o qual o mesmo já estava acostumado. Mas todos os seus anos de experiências não lhe isentaram de cansar em meio a luta.
Trabalhadores do reino de Deus, por mais experiências que tenham com a obra. Por mais tempo de ministério, marcas de batalhas, conquistas alcançadas ao longo dos anos, estão sujeitos a cansarem ainda que o desafio não seja novo. O ser humano muda com o tempo e por vezes a fadiga física e mental chega, e quando cansamos no meio da batalha nos tornamos suscetíveis as ações do nosso inimigo (Satanás). Mas antes de entrarmos nos detalhes do cansaço de Davi em meio a realização de tal encargo, veremos o que suas experiências nesta tarefa já haviam lhe proporcionado.
A história de Davi se torna notória para o povo de Israel justamente após um enfrentamento com um gigante filisteu no capítulo 17 do primeiro livro de Samuel. Muito mais conhecida que a luta contra Isbi-Benobe, é o enfrentamento de Davi contra Golias ainda jovem. Havia guerra entre Israel e os Filisteus e Golias afrontava a nação de Israel e o então adolescente Davi se levantou quando todos se acovardaram e com uma pedra e uma funda colocou o gigante abaixo. A primeira vez de Davi na tarefa na qual ele se encontra, foi um momento em que podemos dizer que Davi surpreendeu, mostrando a todos que era capaz de algo que ninguém julgava que ele conseguiria. Quando Deus nos vocaciona e nos unge para algo, devemos enfrentar os desafios sem medo, ainda que todos achem que não tenhamos capacidade precisamos surpreender e mostrar a todos que Deus não escolhe os capacitados, mas capacita os seus escolhidos. Eu tenho a plena certeza de que se estiverdes na direção do Senhor, por mais árdua que seja a tarefa, hás de surpreender a todos que não acreditam no seu potencial.
O segundo momento de Davi, nesta tarefa (enfrentar filisteus) se dá logo no capítulo seguinte no primeiro livro de Samuel. A filha de Saul, Mical havia se afeiçoado a Davi, porém para que se tornasse genro de Saul, a Davi foi dada uma árdua tarefa, trazer 100 prepúcios filisteus, ou seja, matar 100 dos inimigos da nação de Israel para então conquistar o direito de se casar com ela. Embora a péssima intenção de Saul ao mandar Davi enfrentar os filisteus, achando que Davi cairia ao pelejar contra eles, Davi foi sobremaneira abençoado na tarefa. Davi não se contentou em apenas cumprir com o que lhe fora pedido e ao invés de trazer 100 prepúcios filisteus, trouxe duzentos. Se na primeira vez de Davi na tarefa ele já havia surpreendido a todos, agora ele supera as expectativas, fazendo mais do que lhe havia sido pedido. Estar na direção de Deus em uma determinada tarefa, também faz com que superemos as expectativas. A vida com Deus é uma vida de sobrenatural, de extraordinário, Deus não nos chamou para a mediocridade, mas sim para vivermos além das expectativas humanas.
Avançamos um capítulo a mais na história e chegamos ao capítulo 19, ainda no primeiro livro de Samuel e vemos que agora além de surpreender e superar expectativas é também o momento de impor respeito. O registro que a bíblia faz é de que em uma nova peleja de Davi contra os filisteus ele os feriu de tão grande ferida que os tais fugiram dele. A palavra de Deus mais uma vez se faz viva na vida de Davi e na aplicação as suas tarefas, pois devemos resistir ao inimigo e ele fugirá de nós. Os filisteus são feridos sobremaneira tal que fogem. Davi chega a um estágio em que ele já é reconhecido como um vitorioso na tarefa. Respeito e reconhecimento não se fazem com meras palavras, mas se conquistam com atitudes. Quando somos fieis e centrados em cumprir com nossos encargos, automaticamente conquistaremos o respeito e o reconhecimento. Seremos vistos como alguém que vence as batalhas e poderemos colocar o inimigo pra correr em muitas áreas de nossa vida.
Importante registro do que acontece com Davi na respectiva tarefa está no capítulos 23 e 27, pois em ambos Davi prospera materialmente através de seus enfrentamentos com os filisteus. No capítulo 23 ao defender a cidade de Queila da ira dos filisteus a história conta que Davi os vence e leva os seus gados fazendo lhes grandes estragos. Coisa semelhante acontece no Capítulo 27 quando Davi está em meio aos filisteus, porém tomando-lhes os bens e acrescendo lhe em seu patrimônio pessoal. Sem dúvida alguma aquele que é fiel a Deus nas tarefas do reino é abençoado por Deus e o Senhor lhe faz prosperar. Através de nossa fidelidade para com Deus, portas se abrem, oportunidades surgem, e o crescimento pessoal acontece. O importante é que o nosso foco esteja primeiramente no reino de Deus, devemos sempre buscar primeiro o reino dos céus e a sua justiça, pois as demais coisas nos são acrescentadas por Deus. Quando estamos em Deus, não precisamos correr atrás de bençãos, mas sim são as bençãos que nos alcançam.
Resumindo, de certa maneira vemos Davi em uma tarefa no qual ele já havia surpreendido, superado expectativas, conquistado respeito e sido abençoado. Indubitavelmente não era uma tarefa nova, mas algo com o qual esperava-se que Davi fosse tirar de letra. Mas ainda sim Davi se cansou de tanto pelejar e Isbi-Benobe o intentou matar.
Davi cansado, e um gigante a sua frente. Seria o fim do homem segundo o coração de Deus? seria se Davi não tivesse amigos ou companheiros de batalha. É no versículo 17 que surge o terceiro personagem desta história chamado Abisai, ele socorre Davi e mata o gigante filisteu. Davi é salvo pela mão amiga de um de seus súditos que chegou na hora correta em atenção ao cansaço de seu líder.
Nessas horas vemos a importância de um líder, um trabalhador no reino de Deus não ser autoritário, arrogante ou soberbo. Se não fosse a mão amiga de Abisai seria o fim da linha par a o rei Davi. Mas graças a Deus havia um Abisai para socorrer. Mais uma vez aprendemos o quanto é necessário trabalhar em equipe e em união, pois se nos julgarmos autossuficientes a tendência é que caminhemos rumo ao fracasso.

Concluímos a análise dessa história vendo o quanto é importante, quando estamos fazendo algo no reino de Deus, trabalharmos em união. Além de vermos o quanto foi importante para Davi ter companheiros, também é importante olharmos para a atitude de Abisai em socorre o seu líder. Muitas vezes criamos a figura de super-homens de Deus quando olhamos para grandes pastores, pregadores ou líderes de departamentos. Mas até o mais reconhecido dos homens pode cansar em sua tarefa. Não há quem esteja imune as fadigas físicas e mentais, stress, vontade de parar ou desistir, mas enquanto liderados precisamos ser como Abisai e enquanto líderes precisamos sempre ter nossa equipe em estima. Nem mesmo Jesus ousou trabalhar sozinho, mas reunindo para sí 12 homens que o auxiliassem em sua obra. Trabalhar em equipe é mais do que necessário, é garantia de sobrevivência. E você que está cansado das tarefas, achando que será o fim da linha pra você, achando que teu tempo chegou ao fim, Deus levanta Abisai em teu socorro e a obra segue, pois Deus é fiel e cumprirá todos os seus propósitos no tempo dEle.

Supostos erros teológicos na canção raridade

Acabo de me deparar com um debate acerca de supostos erros teológicos na Canção Raridade, analisados pelo pastor metodista Ildo Mello. Embora interessante a preocupação com a santidade da igreja cristã para não cair em heresias, há que se analisar alguns aspectos interessantes.
A primeira análise feita pelo referido pastor é de que  a frase “O pecado não consegue esconder A marca de Jesus que existe em você . O que você fez ou deixou de fazer Não mudou o início, Deus escolheu você”. Segundo o mesmo, tal afirmativa iria de  encontro aos ensinamentos sagrados pois dá a entender que o pecado não importa na vida do cristão, visto que não importa se o escolhido pecar ou não já está determinado sua situação de salvação.
Que me desculpe o digníssimo pastor, mas tal interpretação está equivocadíssima, visto que parece que há um desconhecimento entre os significados de “início” e “fim”. Notem que em nenhum momento o autor da canção cita que cometer pecado não alterará o destino final de sua alma. O que o autor cita é que os erros cometidos ao longo do caminho não fazem Deus se arrepender de ter escolhido alguém, visto que não altera o INICIO. Pode-se tonar que o crítico pastor faz referência ao apóstolo Paulo ao citar seus textos veementemente fortes contra o pecado. Pois bem o próprio apóstolo Paulo no capítulo 7 aos Romanos escreve contando suas misérias e confessando que muitas vezes acaba fazendo mal mesmo desejando fazer o bem.
Notem que as referências da canção são quanto ao que “você fez” ou “deixou de fazer”. É também uma questão semântica visto que tais verbos estão conjugados no passado. Em nenhum momento há afirmação de que não importa o que você irá fazer, mas sim que não devemos estar acorrentados ao passado, visto que a misericórdia do Senhor se renova todos os dias na nossa vida. Isaías 43:25 o próprio Deus diz:... "Eu, eu mesmo, sou o que apago as tuas transgressões por amor de mim e dos teus pecados não me lembro".
Quanto a segunda parte sobre refletir a imagem do Senhor. A mesma é uma paráfrase ao texto de 1 Coríntios 13:18, que faz referência a passagem de Moisés quando o mesmo no deserto desejou ver a ‘face’ e Deus lhe deu a oportunidade de sentir um pouco da ‘glória do Senhor’. “Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor.” 2 Coríntios 3:18.
Desse modo, quando o autor da canção fala em “não chore se o mundo ainda não notou” há logo em seguida a referência quanto ao valor de cada um e não quanto a refletir a glória do Senhor. O segundo aspecto a considerar é claramente que é uma música evangelística destinado a alguém que caiu, pecou, errou e por isso já outras pessoas não conseguem reconhecer o seu valor. Há inúmeros exemplos de homens de Deus na bíblia que erraram, Jonas fugiu, Davi cometeu adultério e homicídio, Pedro negou a Jesus. Por sinal a grande maioria desses homens não tiveram seu valor reconhecido pelo mundo até começarem a ser grandemente usado por Deus.
Ainda o pastor faz uma crítica quanto a “se você desistiu, Deus não vai desistir” citando as palavras de Jesus e de Paulo para que cuidemos estar em pé para não cairmos e que se negarmos Deus, Ele nos negará. Aí há uma confusão tremenda, pois a análise do pastor confunde DESISTIR com NEGAR A DEUS. Desistência e negação não são sinônimos nem aqui nem na China. O claro exemplo bíblico que tenho na bíblia de desistência é o de Elias, que pediu em seu ânimo a morte, pois havia desistido de seu ministério, mas Deus levantou e não desistiu de Elias, mesmo quando ele já havia desistido. Paulo, que é tão veemente contra o pecado, cita quem em momento de fraqueza quase desanimou da vida “ Porque não queremos, irmãos, que ignoreis a tribulação que nos sobreveio na Ásia, pois que fomos sobremaneira agravados mais do que podíamos suportar, de modo tal que até da vida desesperamos.”  II Coríntios 1:8.
Por fim, finalmente concordamos com que Deus pode levantar o homem quando pelas influências humanas este cair. Realmente o mundo não tem poder para derrubar o homem, visto que caímos por nossas fraquezas. Mas cuidemos para não nos considerarmos super-homens “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia. 1 Coríntios 10:12”. Ainda a epístola aos Hebreus cita “Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados, E fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado. Segui a paz com todos, e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor;” Hebreus 12:12-14.
Há ainda uma consideração do pastor de que o homem não pode ser sujeito passivo do mundo e de Deus que o mundo derruba e Deus levanta, bem como o mesmo cita que devemos levantar com nossas próprias pernas. Pois bem, cito ainda “O Senhor empobrece e enriquece; abaixa e também exalta. Levanta o pobre do pó, e desde o monturo exalta o necessitado, para o fazer assentar entre os príncipes, para o fazer herdar o trono de glória; porque do Senhor são os alicerces da terra, e assentou sobre eles o mundo. 1 Samuel 2:7,8”
Por fim, encerro a minha humilde análise dizendo que se o você é crente, fiel a Deus, cuide para estar em pé. Não pense que o que você fizer não importará para sua salvação, nem que não importa se o mundo não ver ou não Deus refletido em você. Não cometa interpretações equivocadas. É bem provável que esta canção não foi feita pra você que está no caminho da santificação.
Entretanto, quando olho o testemunho do irmão Anderson ao citar que fez esta canção a uma presidiária, que já havia desistido de tudo e ao conhecer a salvação de Deus pra vida dela através dessa canção. Quando compartilho minhas experiências de todas as terças-feiras em que vou ao orfanato da minha cidade, evangelizar crianças e adolescentes, que cometeram erros, foram abandonadas pelos pais, são desprezadas pela sociedade e que ninguém lhes dá valor, para estes eu canto, que não olhem para os erros do passado, que Cristo quer fazer deles um espelho para refletirem a glória do Senhor. Sim, eu canto raridade e tenho visto lágrimas nos olhos, corações voltados ao arrependimento e Deus sarando feridas de corações machucados através do louvor, da unção e do poder da sua palavra.

Compartilho minha humilde opinião de um líder de louvor na igreja, evangelizador e Presbítero da igreja. E o faço de mente completamente aberta a crítica e trocas de ideias, pois só assim, ajudando-nos uns aos outros, chegaremos a “estatura de varão perfeito” e andaremos nessa terra com a graça e a misericórdia de Deus esperando a sua vinda.

Projeto Para Grupo de Louvor - Conjunto Umadepam 2015

Projeto 2015 – CONJUNTO UMADEPAM
Coordenadores: Jacson e Quézia, 


            1. Objetivos Gerais:

1.1 Tocar e cantar nos cultos de jovens aos sábados. Iniciando os cultos com louvor e adoração.
1.2 Fazer a parte instrumental nos louvores entoados pelo coral da Umadepam.
1.3 Tirar escala mensal no culto público do domingo a noite, sempre que o coral estiver escalado.
1.4 Fazer o louvor do Retiro de Carnaval
1.5 Fazer o louvor no Congresso da Umadepam.
1.6 Tocar nos demais eventos programados pela Umadepam ao longo do ano.

2. Objetivos Espirituais:

2.1 Ganhar almas para  Cristo através do louvor. “O fruto do justo é árvore de vida, e o que ganha almas é sábio.” Pv 11:30.
Para ganhar almas é necessário:

            2.1.1 Ser cheio do Espírito Santo. (Atos 1:8)
            O Espírito Santo se faz necessário na vida do músico para que sejamos capacitados a ganhar almas para Cristo. Entendemos que para ser cheio do Espírito Santo é preciso:

                        2.1.1.1- Palavra.
                        O músico na casa de Deus, para ter um ministério excelente precisa conhecer a palavra de Deus (João 17:17). Desse modo, precisamos enquanto conjunto sermos ativos quanto a leitura bíblica e participação em Escola Bíblica Dominical. Também precisamos reverenciar a palavra de Deus nos cultos em que participamos.

                        2.1.1.2 – Oração.
                        Ser cheio do Espírito Santo, implica também em ter uma relação íntima com Deus e a oração é a comunicação direta do cristão com o pai. (Atos 6.4).

                        2.1.1.3- Jejum.
                        Sabemos que uma das maiores dificuldades na vida de um jovem cristão esta relacionada a dificuldade em vencer as tentações. Quando pecamos o Espírito Santo retira-se de nós. Desse modo, é importante que desenvolvamos em nós o domínio próprio sobre a nossa carne. O jejum é uma maneira eficaz de crucificarmos a nossa carne e deixar o Espírito agir em nossas vidas. “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. Mt 4:4”.


           
2.2 Conduzir os demais jovens a adorar a Deus.

“Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem” João 4:23. O grande desafio para esse ano, iniciando o culto com louvores é conduzir aos demais jovens da Umadepam a adorar a Deus conosco. Para isso, algumas considerações se fazem importantes.

            2.2.1- Compreender o que é adoração.
             Como posso querer levar os outros a adorar se eu não sei o que é adoração? Aprendamos a adorar e então levaremos os demais a adorar conosco. Mc 12:13.

            2.2.2- Desenvolver postura adequada.
            Para que os demais sejam levados a adorar conosco, precisaremos contagiá-los. E isso só será possível quando tivermos postura correta, precisamos também adorar enquanto tocamos ou cantamos. Precisamos também ter presença de palco. Também precisamos ser participativos quanto ao andamento do culto, respeitando e participando de cada momento.

            2.2.3 Dedicação/Aperfeiçoamento/Entrosamento.
            Um bom conjunto se faz quando cada um procura dedicar-se no seu talento. Quando o músico chega com o solo pronto. O cantor com a letra decorada, etc. O ensaio flui mais rápido e o tempo é melhor aproveitado. Deus é digno do nosso melhor, por isso devemos sempre fazer uso de métodos e técnicas que visem nos aperfeiçoar enquanto músico, enquanto cantor e em tudo aquilo que fazermos para o Senhor. Por fim, faz-se necessário a cada dia nos entrosarmos, dialogarmos, compreendermos um ao outro. Que possamos sempre ter a humildade para ouvir e estar aptos as sugestões, correções e que possamos nos completar.

            2.2.4 Responsabilidade.
            Queremos que todos os participantes do conjunto, sejam responsáveis quanto ao seu compromisso. Para isso devemos lembrar sempre de sermos pontuais nos ensaios, procure sempre chegar antes. Em dia de culto, procure chegar de 15 a 30 minutos antes, para instalar o seu instrumento, afiná-lo, passar o som para que quando iniciar a oração, o momento espiritual da igreja não seja atrapalhado com ruídos desagradáveis e que os membros do conjunto também possam ter um momento de oração para que Deus receba o nosso louvor. Quando não puder comparecer, procure sempre avisar os líderes. Tenha sempre o contato de mais de uma pessoa. As formas de contato podem ser as mais diversas: telefone, SMS, Facebook, Wathsapp, etc.


            3. Organização:
            Sugestões de hinos são bem vindas. Colabore com o repertório do conjunto. Procure sugerir com antecedência para que aqueles que não conhecem o louvor possam aprendê-lo. Também faremos uso de multimídia, passando os hinos no projetor para que todos possam cantar conosco.           


Lembre-se sempre: ADORAÇÃO NÃO É UM ESTILO DE MÚSICA E SIM UM ESTILO DE VIDA.


Poesia Gaucha - Missões - Autor: Jacson Bueno de Lima

POESIA MISSOES
Letra: Jacson Bueno de Lima 

Vivendo a hora final
Da igreja aqui nesta terra
Em que todo dia há guerra
Há uma luta espiritual
Do bem enfrentando o mal
Na luta contra maldade
Contra a mentira a verdade
Que, pelos salvos pregada
Anima a alma cansada
E enche de felicidade

E esta felicidade
Que muda a vida do homem
Problemas que lhe consomem
Já vão sendo resolvidos
Cansados e oprimidos
Tem o fardo aliviado
E de coração mudado
Recebem dons e talentos
Pra cumprir os mandamentos
Que Cristo tem ordenadoE uma das ordenanças
Foi o IDE de Jesus
Pregai a mensagem da cruz
Levando a todos os povos
Para os velhos e novos
Aos de perto e aos distantes
Sede firmes e constantes
Na palavra e no louvor
E na obra do Senhor
Sejam sempre abundantes

E assim em nome de Deus
O evangelho foi pregado
Pelos montes e valados
Pelo campo e no deserto
E assim como um tiro certo
Pregado a todas as gentes
Atravessou continentes
Chegou ao nosso país
E foi assim que Deus quis
Pra nos fazer mais contentes

5- E assim chegou a mensagem
De um jeito pentecostal
Uma chama sem igual
Por aqui se acendeu
O milagre aconteceu
Quantas palavras pregadas
Vidas sendo transformadas
E assim gerando mais vidas
E ate as almas oprimidas
Também foram libertadas

E então os nossos pastores
Na Direção do Senhor
Tomados por este amor
Que só Deus Pai tem por nós
Ouviram de Deus a voz
Na palavra a lhes falar
Que devemos anunciar
A todo aquele que vemos
Pois de graça recebemos
De graça devemos dar

Deus começou levantar
Homens pra fazer missões
A ir por muitos rincões
Seja a missão regional
No país ou mundial
Devemos fazer agora
Já é a última hora
Levanta as mãos ungidas
E resgata estas vidas
Que estão gemendo lá fora

A igreja de Santa Rosa
Que faz missão no Brasil
Também atravessa o rio
Prega em países vizinhos
Vencendo muitos espinhos
Pois é de Deus este plano
Já atravessou o oceano
Pra ir onde Deus mandou
E assim a missão chegou
No continente africano

E assim como se espalhou
a mais preciosa semente
você deve ter em mente
que precisa continuar
que pra onde Deus mandar
O obreiro tem de ir
pra que possa se cumprir
a boa e perfeita vontade
e que toda a humanidade
chegue aos pés de Jesus
e encontre esta luz
que nos leva a eternidade


Para que assim continue
O crescimento do evangelho
Pregado ao novo e ao velho
Toda gente, toda raça
É preciso que tu faças
A parte que Deus te deu
Pois aquilo que é teu
Só você pode fazer
Pra que outros venham crer
Assim como você creu

Igreja desperta agora
Pra cumprir tua chamada
Atenção companheirada
Não é tempo de dormir
Jesus breve há de vir
E virá como ladrão
Quando, não sabemos não
Qual dia do calendário
Nem o mês nem horário
Mas hoje ele tem falado
Que você sinta o chamado
E um desejo missionário

Maturidade Espiritual?

Hoje olhei o calendário e vi encerrando o mês de janeiro de 2015. Lembrei que foi por esta época do ano (não lembro a data) que na pequena igreja de Sede Nova, há 10 anos atrás o então presbítero Albino, dava oportunidade a um jovem para trazer uma palavra. Esse jovem era eu. Sim, eu estava nervoso por falar pela primeira vez, mas não estava sem saber o que falar, pois Deus pelo seu Espírito Santo já havia falado ao meu coração e pelo fato de eu ter acreditado na profecia de que seria um pregador e estar estudando pra isso.
Lembro de como as pessoas se admiraram, afinal era um guri de apenas 15 anos, com esboço pronto e falando sobre o Glorioso Mistério da Salvação. Oportunidades foram surgindo e fui perdendo a inibição. Dois anos depois surgia a oportunidade, através do Ev. Elias dos Reis, para o primeiro convite fora da minha cidade, e era em uma vigília com ótimos cantores e pregadores, com anúncio na rádio, pessoas de toda a região, etc. Foi tudo muito lindo, tudo muito bom. Veio então o primeiro congresso, os convites para programas de rádio, para cultos de jovens, para vigílias, etc. A região celeiro toda já me conhecia. Mas ainda era um jovem, cheio de falhas, cheio de anseios da juventude e isso muitas vezes impedia o crescimento ministerial. Estava fazendo faculdade e ainda morando na pequena Sede Nova, longe de tudo.
Nesse meio, já haviam se passados mais quatro anos, então era hora de sair de casa, rumar para outra cidade, também pequena, mas uma vida totalmente diferente. Morar sozinho, com todas as oportunidades da vida, mas a chance de não  repetir erros e semear ministerialmente. A acolhida do Pr. Walmir Ferraz foi tão grande em Alegria e as bênçãos de Deus também. Em meio as dificuldades de uma vida nova, vieram a consagração a diácono, cidades novas, convites novos, viagens mais longas.
Já estava começando a me empolgar quando, um ano depois, Deus me levou a Santa Rosa. Aprouve a Deus me colocar ao lado de grandes homens para me mostrar que eu não sabia nada. Aprendi com Natanael, Gilberto, Adriano, Valtair, André que a vida ministerial era muito mais complexa do que eu imaginava. Vi o quanto tinha que ouvir antes de querer falar. Entendi o quanto sabia pouco. Aprendi que picar o tomate para fazer o xis que arrecadaria dinheiro para o departamento também era obra de Deus. Que por traz do palco há muitos homens e mulheres de Deus fazendo a sua parte. Então, resolvi aplicar-me mais nos estudos. Então cada adia aprendo que sei menos e que é preciso aprender mais. Valeu cada segundo de aprendizado. Voltei a ver que podia ser útil também na área da música e que a igreja não precisa apenas de bons músicos, mas de pessoas que entendam a verdadeira adoração. Deus me fez estar ao lado de pessoas que sempre admirei e crescer junto com eles.

Passados dois anos e meio, era hora de mudar novamente. E cá estou em Palmeira das Missões, aprendendo com outros grandes homens e mulheres de Deus. Oportunidades surgindo, trabalho em departamentos, escalas, lugares que me sinto muito pequeno pra estar. Hoje entendo que pregar para mil pessoas na sede ou para 10 pessoas na congregação do bairro, ministrar uma escola dominical ou um ensaio para jovens devem ser encarados com o mesmo empenho e responsabilidade. Cada dia tenho certeza que é muito melhor ouvir do que falar, que é melhor aprender do que ensinar. Que para Deus não importa se você está nos holofotes ou nos bastidores. Que tanto o que semeia quanto o que ceifa terão a mesma recompensa. Hoje não corro atrás de oportunidades, mas quando elas vêm procuro não desperdiçá-las. Não por vaidade, mas por obediência ao Senhor da Seara. Não sei se hoje, ou amanhã, ou a semana que vem, estou completando 10 anos de ministério. Talvez mais maduro por compreender o quanto sou imaturo.

Modificando as circunstancias ao meu redor



As relações cotidianas constantemente nos fazem reclamar das circunstâncias que nos cercam.  Reclamamos do emprego, da cidade, da igreja, das relações familiares. Dificilmente estamos 100% contentes com as circunstâncias. Quando algo agrada, há sempre algo que está desagradando.
Quando o profeta Eliseu inicia seu ministério (2 Reis 2), cheio de empolgação por ter acabado de ver o primeiro milagre de Deus sendo realizado através da sua vida ele se depara com os homens da cidade de Jericó a reclamar. A reclamação destes homens era que embora bem localizada a cidade, as suas águas eram más e a terra estéril.
Nesse momento, Eliseu cheio da graça de Deus, poderia ter pedido ao Deus dos céus para que com uma palavra modificasse as circunstancias, purificando as águas e sarando aquela terra, mas dirigido por Deus ele muda a estratégia do milagre. Eliseu pede um prato com sal e deita sobre o manancial de águas profetizando que ali não haveria mais morte nem esterilidade.
Em nossas vidas passamos por circunstâncias que com uma só palavra de Deus poderiam ser mudadas. Mas, não é esta a estratégia do milagre. Assim como aconteceu com Eliseu, Deus quer usar o sal para sarar águas e tirar a esterilidade da terra.
Que sal é esse que Deus quer usar? Jesus Cristo em três passagens neotestamentárias vem nos falar para sermos sal e para termos sal em nós mesmos. São três contextos diferentes e três escritores diferentes que vem salientar a mesma mensagem. Precisamos ser sal e não apenas em quantidade, mas principalmente em qualidade.
O primeiro contexto encontra-se no contexto do capítulo 5 de Mateus. Esse capítulo nos é conhecido por tratar das bem aventuranças. Jesus diz que somos bem aventurados quando mansos, quebrantados, misericordiosos, pacientes, sedentos por justiça, etc. A mensagem de ânimo do Senhor Jesus Cristo que muitas vezes sara as nossas feridas ao lembrarmos que somos bem aventurados também é exortativa. Devemos considerar que após discorrer sobre as bem aventuranças, Jesus diz que somos o sal da terra, mas que se o sal for insípido para nada presta. Jesus está dizendo: sejam pacientes, benignos, quebrantados, mansos, pois caso contrário vocês serão imprestáveis na minha obra.
O segundo contexto está colocado em Marcos 9. Neste capítulo os discípulos estavam indo pelo caminho e disputando entre si qual era o maior. Então Jesus ensina a eles a importância da humildade e a necessidade de amor ao próximo e de que é preciso união. Jesus traz uma mensagem forte ao ponto de mandar arrancar olho ou a mão para não servir de escândalo. E novamente ao final do capítulo elo nos manda ter sal em nós mesmos e paz uns com os outros.
O terceiro contexto é o capítulo 14 de Lucas quando Jesus Cristo através da parábola da torre e da parábola do planejamento à guerra reitera que aquele que não é capaz de renunciar tudo quanto tem, não poderá ser seu discípulo. Ao ensinar o preço do discipulado Jesus nos lembra da revelação apocalíptica da carta a igreja de Laodicéia quando o próprio Jesus diz: “Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas”. O mestre está clamando para que não nos vendamos a um evangelho barato e promiscuo mas que continuemos a comprar dele. Ainda que o preço seja mais caro é este o caminho que realmente vale a pena. E então novamente nesse contexto o mestre ressalta que se não pagarmos o preço do discipulado seremos imprestáveis, pois se o sal for insípido será jogado fora.

Ao concluir a análise destes três contextos, tomamos consciência de que precisamos ser sal, mas com qualidade. Tomamos consciência de que é necessário ser mansos, humildes, pacíficos, sábio e fieis a Deus para não sermos insípidos. O sal capaz de sarar ás aguas e trazer vida a terra é aquele conservado em suas plenas condições. A mudança nas circunstâncias ao meu redor só serão completas quando eu realmente obedecer aos preceitos da palavra de Deus e fazer a diferença no meu mundo e na sociedade em que estou inserido. Seja sal e mude as circunstâncias ao seu redor. Assim como o sal usado por Eliseu curou as águas, Deus sarará a sua terra, Deus purificará suas águas, Deus mandará um tempo de abundância e prosperidade em sua vida, mas nunca se esqueça de fazer a diferença.

Os Pronomes do Salmo 23


Qual leitor da bíblia que não conhece décor o salmo 23? [O Senhor é meu pastor e nada me faltará...]
Entretanto, hoje Deus falou fortemente ao meu coração sobre os pronomes do texto.
O pronome possessivo “meu” dá indícios de uma experiência pessoal do salmista, de uma vida dele próprio com Deus, pois o Senhor é o seu pastor.
A experiência pessoal é composta por dois momentos: o primeiro momento descrito nos versículos 1 e 2 em que o salmista está deitado em pastos verdes e nada lhe falta, o outro é o vale da sombra da morte. É interessante notar que os momentos distintos possuem pronomes de tratamento distintos.
Nos momentos em que nada falta, os pastos estão verdes e a água é tranqüila Deus é chamado de Senhor. Senhor é um pronome respeitoso que deixa explícita a enorme distância entre um Deus imortal e um homem falível e de carne e osso.
Entretanto no versículo 4, o salmista anda pelo vale da sombra da morte, o momento é tenso, é tribuloso, é complicado. Porém, no vale da sombra da morte o pronome é TU. “Tu” é pronome para amigo íntimo, pessoa próxima. Você não chama um estranho de “tu”. “Tu” é para quem tem intimidade. O salmista nos mostra que no vale da sombra da morte é que criamos intimidade com Deus.
No vale aprendemos a orar, jejuar, consagrar e buscar mais de Deus. Não murmures se você está passando pelo vale, Deus quer te dar intimidade com Ele.
“Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque TU estás comigo; a tua vara e o teu cajado me consolam”

Protegidos em Deus


“Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas te confiarás; a sua verdade será o teu escudo e broquel.” Salmos 91:4
Quão épico e memorável é o salmo de número 91 que nos fala sobre a confiança no Senhor daquele que habita no esconderijo do altíssimo.
A hermenêutica do texto é bastante vasta e conhecida, mas quero discorrer sobre o versículo 4.
A segurança que Deus nos oferece é comparada àquela que a ave desenvolve aos seus filhotes: cobertos com penas e escondidos debaixo das ases. A ave começa a proteção ainda antes de o seu filhote sair do ovo. Ainda mesmo sem vê-lo ela protege a vida que está por vir. Deus.  No versículo 16 do Salmo 139 o Salmista descreve: “Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe” o Apóstolo fala na sua carta aos Gálatas que “Mas, quando aprouve a Deus, que desde o ventre de minha mãe me separou, e me chamou pela sua graça,” (Gálatas 1:15). Deus contempla a nossa chamada, nosso ministério, nossos projetos, ainda antes de sermos gerados para a vida e está a nos proteger.
A proteção das asas é algo disponível a todos que escolherem ficar protegidos em Deus. Mas o texto fala de outra proteção disponível. É aquela da qual devemos nos apossar e aprender a usá-la chamada verdade. A verdade é escudo e broquel.
O escudo é uma armadura pesada, grande, forte e resistente. Ele é usado para grandes guerras na luta contra inimigos armados. A verdade de Deus nos serve de escudo diante da perseguição da mídia aos cristãos, diante das sátiras aos evangélicos constantemente visíveis em telenovelas, a verdade de Deus nos serve de escudo diante de uma mídia tendenciosa, satânica e imparcial.
Entretanto existe outra armadura menor chamada Broquel. O que é broquel? Trata-se de uma espécie também de escudo. Entretanto broquel é um escudo menor, pequeno e de fácil manuseio. Devido ao fato de ser pequeno o broquel é usado nas lutas de espada, nos confrontos homem a homem. E a verdade também nos serve como broquel.
A verdade nos serve de escudo quando pessoas confrontam nossa fé, mostrando doutrinas seculares mundanas, interpretações erradas, seitas, heresias, etc. Somos avisados pelo Espírito Santo que “nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” (1 Timoteo 4:1). Mas o cristão verdadeiro não segue a onda, não se engana e permanece firme naquilo que aprendeu.
Conhecemos a verdade que liberta, a verdade que salva, a verdade que mudou as nossas vidas e por isso não recuamos, não entregamos a guerra, não jogamos a toalha, mas vencemos na força do Senhor. Não devemos temer as batalhas, sejam elas grandes ou pequenas. Seja ela contra inimigos distantes e suas flechadas  ou contra inimigos visíveis e presentes e suas lutas de espada, a verdade é escudo e broquel.

A sexualidade a luz da Bíblia Sagrada



“Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte. Apocalipse 21:8
O texto epigrafado do livro do Apocalipse nos causa pavor e temor ao tratar de um assunto tão real sobre as coisas que hão de acontecer com o julgamento dos seres humanos pelos seus atos. A sentença condenatória aos que cometem os pecados descritos neste versículo é taxativa e não abre margem para interpretações distintas. Entre os pecados de feitiçaria, mentira, idolatria, homicídio está incluído a fornicação.
O que é fornicação? O Dicionário Online de português define como “Ação de fornicar; sexo ou relação sexual; coito. Relação sexual entre pessoas que não são casadas”.
Mas como reprimir uma vontade tão grande? Seria o sexo algo maligno para que Deus o tratasse como pecado?
O sexo (conjunção carnal entre um homem e uma mulher) é uma benção de Deus “Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne. Efésios 5:31” Entretanto a bíblia é clara em afirmar que ele é destinado a uma relação matrimonial monogâmica.
Como me manter fiel.
A clareza das definições bíblicas para a abstenção ao sexo enquanto solteiros nos dá diretrizes para buscarmos soluções para conseguir algo que parece tão difícil. A bíblia nos ensina a ter compromisso e, por conseguinte, excluir a prática do “ficar” de nossas relações cotidianas. Assim oramos, pedimos direção divina e vamos em busca de uma relação com compromisso ao que chamamos de namoro. O namoro é uma fase de conhecimento em que ambos irão usar os momentos proporcionados para conhecer, buscar afinidades, encontrar maneiras de dirimir as opiniões conflitantes e buscar a convicção de fazer a escolha certa da pessoa que irá viver o resto de suas vidas.
O transcorrer dos dias em um namoro faz com que se criem intimidades no tocar,  no abraçar, no beijar. As intimidades costumam despertar hormônios, sentimentos e vontades. A intimidade é uma coisa que nunca volta atrás, ela sempre cresce e gera uma busca incessante de satisfação de vontades.
A força para vencer as próprias vontades não se consegue sozinho, mas somente com a ajuda do Espírito Santo. Existe uma intimidade muito importante que em regra os casais de namorados não desenvolvem chamada intimidade espiritual. Pode parecer careta, mas orar junto, ler a bíblia junto, cultuar junto, são questões fundamentais para o sucesso de um relacionamento. Tanto se fala na necessidade de culto doméstico para o fortalecimento espiritual no lar, mas muitas vezes não se ensina que esta intimidade com Deus se começa no namoro.
Se você em todo o período de namoro não desenvolver um momento de intimidade espiritual isto não acontecerá naturalmente com a benção do casamento. Intimidade com Deus é uma coisa que não vem da noite para o dia.
É difícil começar esta intimidade e é aí que entra a importância da igreja. Se não estou a vontade para desenvolver uma intimidade espiritual em casa, então devo usar a igreja para isto. Como me comporto ao lado da namorada durante o culto? Fico com vergonha de dar um glória a Deus? Estar com ela me faz ter menos intimidade com Deus? Use o momento do culto para aproximar vocês com a benção de Deus. Ore a Deus para que fale ao coração da pessoa que você ama. Volte da igreja falando de questões espirituais.
O namoro é também um momento de fazer planos. A regra é planejar onde morar, qual casa, qual carro, quantos filhos, quais os nomes. E os planos espirituais? E a chamada de cada um? Sente com a pessoa que ama e converse sobre o que farão na igreja, se as chamadas são compatíveis.
O livro de Eclesiastes nos diz que há um tempo determinado para todas as coisas. Se não soubermos avaliar as situações e esperar a hora certa seremos pessoas ansiosas e precipitadas. Aguardar é uma virtude. Esperar é uma ordem e se esperarmos veremos que todo o sacrifício valeu a pena. O que estamos plantando hoje par o futuro? Reflita ore, ouça a voz de Deus e tenha um relacionamento agradável aos olhos de Deus. A tarefa é árdua, o caminho é difícil. Mas quando sentirdes as dificuldades, lembre se que não foi fácil para Cristo morrer na cruz do calvário de braços abertos por você. Deus te ama, seja fiel a Ele.