Compartilhando bençãos

Você é o visitante número:

A ERA DO DESCARTÁVEL


Estamos vivendo um tempo de preocupação com a problemática ambiental. O apocalipse que se cumpre, faz com que vejamos cada vez mais freqüentes a ocorrência de vulcões, terremotos, maremotos, furacões, vendavais, tempestades, alagações, inundações, granizo, estiagem e tantas destruições que a natureza é capaz de causar. Muitas dessas coisas frutos do nosso descaso com o meio-ambiente. Vivemos a era do descartável, do não aproveitamento de muita coisa que seria útil. Nos dias atuais usamos pratos descartáveis, copos descartáveis, sacolas descartáveis, fraldas descartáveis e uma infinidade de coisas que nos são úteis por alguns instantes e depois o colocamos em um lugar qualquer.


Mas uma preocupação maior tem chegado a minha percepção nesses dias. Estamos vivendo a era das pessoas descartáveis. O ser humano também tem usado o seu próximo somente quando este lhe é útil. Tenho visto estudantes que tanto “puxam saco” do professor enquanto este lhe dá aula e depois que não necessitam mais dele sequer olham. Pessoas que dão toda atenção do mundo para uma autoridade, para uma pessoa pública por que esta lhe pode ser útil, mas basta ela mudar de setor pra que a velha “amizade” se torne em indiferença. Políticos que tratam o seu eleitor tão bem em ano de eleição e nos demais três anos o querem ver pelas costas. Porque não temos o carinho com o mendigo na rua? Com o de classe social inferior? Certamente por que este não tem algo de tão útil para nós.

Outra grande preocupação: O uso do ser humano como descartável em relações pessoais e até íntimas. Por inúmeras vezes sou execrado por amigos, colegas e pessoas próximas a mim na convivência diária por não achar legal usar uma moça apenas por alguns instantes enquanto esta pode me dar prazer. Infelizmente a grande maioria dos meus amigos e sei que não é exclusividade do sexo masculino, muitas amigas minhas também possuem esta mentalidade, vêem o sexo oposto apenas como algo útil por alguns instantes. É por isso que as pessoas se conhecem em um baile, em um som, 10 minutos depois se entregam um ao outro e depois nunca mais se vêem. Agravante disso é que muitas vezes por traz de um “ficar” sem compromisso está se cometendo uma traição, uma mágoa, uma consciência pesada que o fará colocar a cabeça no travesseiro e não conseguir dormir posteriormente. Fica-se sem saber quem é, de onde veio, pra onde vai, se possui ou não alguém, se é sentimento verdadeiro. Nada disso! Apenas usa.

E a minha maior preocupação é que essa DESCARTABILIDADE tem chegado ao meio eclesiástico. As pessoas que te batem nas costas, apertam tua mão e te conduzem ao púlpito nos momentos de glória, muitas vezes não se lembram de você quando se está no vale. E quantas vezes quando passamos por um momento de prova lembramos-nos dos pastores, obreiros, pessoas que se tinha como grande amigo, que tiraram foto junto, cantaram junto, oraram antes de uma ministração da palavra, mas que não estão ao seu lado no vale. E muitas vezes, dá vontade de chorar, por se sentir algo descartável.

Mas nas lutas, provas e dificuldades o melhor que se tem é olhar para a palavra do Senhor e hoje eu abro minha bíblia no livro de Isaias capítulo 49:

15 Porventura pode uma mulher esquecer-se tanto de seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas ainda que esta se esquecesse dele, contudo eu não me esquecerei de ti.

16 Eis que nas palmas das minhas mãos eu te gravei; os teus muros estão continuamente diante de mim.



E quando a palavra de Deus fala comigo não precisa de muita explicação. O Texto é auto-explicativo. Ei meu amigo, você pode não estar num momento tão bom, mas há algo eu lhe digo, existe ex-cantor, ex-pregador, ex-profissional de sucesso, ex-rico. Mas não existe ex-ungido. Você pode ser DESCARTADO por todos, mas nos céus há um Deus que nunca se esquece de você. Eu também não procuro cartomante, feiticeira, macumbeira ou cigana pra ler minha mão. Pois meu futuro não está em minhas mãos, está na palma da mão do TODO-PODEROSO DEUS.

2 comentários: